HOME     PERFIL     BLOG     CONTATO    

sábado, 11 de outubro de 2014

Metamorfose


É que não consigo me imaginar no mesmo lugar o resto da vida. Eu tenho essa coisa de querer mudar sempre; mudar pra ver no que vai dar, rezar pra dar certo e ver que não deu, ficar insegura e ver que na verdade eu devia estar confiante. Andar na corda-bamba, tentar me equilibrar e cair, ou então simplesmente correr por ela e conseguir chegar até o fim. Mudar e sentir aquele frio na barriga que mais parece um inverno inteiro. Encarar o novo, as pessoas desconhecidas e ir em frente, mesmo com medo, porque eu acho seriamente que é esse medo que me faz querer continuar essa loucura que é viver, porque quando essa vida começar a ficar patética é aí que eu começo um novo ciclo e mudo tudo de novo. Mas não mudo só o cabelo ou compro uma roupa nova, isso é muito pouco. Mudo a casa, mudo a cidade, mudo as pessoas, mudo a mim mesma e meus pensamentos. Mudo a rotina, mudo o jeito de ver os problemas, mudo tudo o que eu achar que não basta, e se não bastar, eu dou meu jeito e mudo outra vez.

domingo, 24 de agosto de 2014

quarta-feira, 16 de julho de 2014

Silêncio.


Aprendi a ficar em silêncio. Sim, eu, logo eu que nunca consegui me segurar e explodia sempre que era preciso. Eu que sempre falei o que vinha a mente quando queria, achando que assim libertaria tudo de ruim que havia dentro dos desejos do meu ego. Eu, logo eu que nunca me calei, que não media as palavras, que falava e falava, sem parar um segundo.

Sim, eu me calei, essa pessoa mesmo que vos fala, se calou, e descobriu que silêncio também pode causar dor. E embora não tenha sido esse o motivo dessa mudança drástica de atitude, foi uma das coisas que só percebi quando parei de soltar todos os meus pensamentos pela boca, quando os guardei vagamente na minha mente, que de vez em quando, mente pra me agradar. Algumas pessoas chamam isso de amadurecer, e talvez realmente seja, pois quando me calo, silencio também toda a discussão, toda a raiva e todos os desesperos.

De repente, assim, quem sabe, meu silêncio tenha mais palavras do que eu poderia imaginar; é algo indescritível, mas que somos capazes de entender sem fazer nenhum esforço. É o barulho do silêncio que incomoda, é esse grande ponto de interrogação que surge quando as bocas se calam e os pensamentos permeiam. É a inquietação de não saber o que o outro está pensando, porque silêncio também é mistério.

Se me calo, é porque aprendi que assim evito ouvir palavras que me ferem, se me calo, é para me proteger do outro e de mim mesma, porque sei que minhas palavras também podem machucar. E mesmo que meu silêncio muitas vezes seja dor, existem dias em que ele transborda de alegria, por que afinal, quantos sentimentos cabem nesse abismo? Nesse cessar de palavras que me ensinou que ouvir, também é importante, tão importante quanto querer falar.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...